domingo, 18 de novembro de 2007

Na minha Terra



Amo o vento da noite sussurrante
A tremer nos pinheiros
E a cantiga do pobre caminhante
No rancho dos tropeiros;

E os monótonos sons de uma viola
No tardio verão,
E a estrada que além se desenrola
No véu da escuridão;

A restinga d'areia onde rebenta
O oceano a bramir,
Onde a lua na praia macilenta
Vem pálida luzir;

E a névoa e flores e o doce ar cheiroso
Do amanhecer na serra,
E o céu azul e o manto nebuloso
Do céu de minha terra;

E o longo vale de florinhas cheio
E a névoa que desceu,
Como véu de donzela em branco seio,
Às estrelas do céu.

II

Não é mais bela, não, a argêntea praia
Que beija o mar do sul,
Onde eterno perfume a flor desmaia
E o céu é sempre azul;

Onde os serros fantásticos roxeiam
Nas tardes de verão
E os suspiros nos lábios incendeiam
E pulsa o coração!

Sonho da vida que doirou e azula
A fala dos amores,
Onde a mangueira ao vento que tremula
Sacode as brancas flores,

E é saudoso viver nessa dormência
Do lânguido sentir,
Nos enganos suaves da existência
Sentindo-se dormir;

Mais formoso não é: não doire embora
O verão tropical
Com seus rubores e alvacenta aurora
Na montanha natal,

Nem tão doirada se levante a lua
Pela noite do céu,
Mas venha triste, pensativa — e nua
Do prateado véu —

Que me importa?se as tardes purpurinas
E as auroras dali
Não deram luz às diáfamas cortinas
Do leito onde eu nasci?

Se adormeço tranqüilo no teu seio
E perfuma-se a flor
Que Deus abriu no peito do Poeta,
Gotejante de amor?

Minha terra sombria, és sempre bela,
Inda pálida a vida
Como o sono inocente da donzela
No deserto dormida!

No italiano céu nem mais suaves
São as noites os amores,
Não tem mais fogo o cântigo das aves
Nem o vale mais flores!

III

Quando o gênio da noite vaporosa
Pela encosta bravia
Na laranjeira em flor toda orvalhosa
De aroma se inebria,
No luar junto à sombra recendente
De um arvoredo em flor,
Que Saudades e amor que influi na mente
Da montanha o frescor!

E quando à noite no luar saudoso
Minha pálida amante
Ergue seus olhos úmidos de gozo,
E o lábio palpitante...

Cheia de argêntea luz do firmamento
Orando por seu Deus,
Então... eu curvo a fronte ao sentimento
Sobre os joelhos seus...

E quando sua voz entre harmonias
Sufoca-se de amor,
E dobra a fronte bela de magias
Como pálida flor,

E a arma pura nos seus olhos brilha
Em desmaiado véu,
Como de um anjo na cheirosa trilha
Respiro o amor do céu!

Melhor a viração uma por uma
Vem as folhas tremer,
E a floresta saudosa se perfuma
Da noite no morrer,

E eu amo as flores e o doce ar mimoso
Do amanhecer da serra
E o céu azul e o manto nebuloso
Do céu de minha terra!

(Álvares de Azevedo)




Mais um poeta nascido em Terra de Santa Cruz, Álvares de Azevedo, numa saudosa canção…

Apenas para dizer-te, carino mio, do que vem repleto meu Ser:

Os caminhos que me levaram a transpor hemisférios, trouxeram-me de regresso ao lar… bem aqui… sempre ao teu lado e feliz como jamais sonhei :)

AMO-TE !!

8 comentários:

Anônimo disse...

Quando nos amamos e estendemos isto a outrem,somos vestidos com os fios visíveis da sensibilidade.
Lindos versos, retratam tua doação total ao amor . Parabéns Angelica,sinto-me muito orgulhosa de ter te trazido ao mundo.

Angélica disse...

Mia bella mama!!

Eu quase não acreditei… minha mama escrevendo no meu blog!!

Pronto! Mais sorrisos agora :)

Mami querida, feliz sou eu de contar com um coração tão grande e dotado de um amor tão puro! Quero vê-lo por aqui mais vezes, com esta inspiração poética que conheço tão bem :)

Amei o comentário!! Obrigada, mãezinha :)

Baci con molto amore!!

Betty Branco Martins disse...

Ciao:)

______________este



poema____________diz que





__________estás feliz:))







Baci per te, carina amica___:)

Angélica disse...

Ciao mia amica :)

Feliz como nunca sonhei... :)

Baci per te!

O Profeta disse...

Para ti que me visitaste
Ao longo destes poucos meses
Ofereço-te uma prenda singela
Uma estrela de mil cores

Roubei-a ao firmamento
Deposito-a na tua mão
Para que neste Natal
Te ilumine o coração

Um Santo e Mágico Natal


Doce beijo

NETMITO disse...

ESCUTA O SOM MAIS PURO DA TUA VOZ...

Boas festas:)

Simplesmente... eu! disse...

Olá!
Quero agradecer as visitas ao meu blog e a presença ao longo deste ano.
Obrigado pela companhia!:)
Desejo tudo de bom para este ano que se avizinha!!
Beijinho

Phiwuipa disse...

Meia Noite de 31 de Dezembro de 2007
1 de Janeiro de 2008

Ouvir-se-ão ao longe os foguetes da meia noite!
Estouraram garrafas de Champanhe!

2007 parte envolto em dúvidas, alguns temores, muitos sonhos, desejos, alegrias e incertezas, insucessos e vitórias.

Deixou-nos o ano 2008!

Mais sonhos…
Novas esperanças e Projectos de vida povoam os nossos espíritos.

Apenas temos uma certeza:

Foi-nos permitido estar vivos e partilharmos um sentimento forte, mas cada vez mais raro no mundo de hoje:
A AMIZADE

Que este sentimento perdure e continue a ser o grande pilar que nos ajude a suportar o pesado edifício da vida.


Citando Sebastião da Gama:

"Andamos no Mundo quase todos como se fôssemos desconhecidos uns dos outros.
Não quero que haja desconhecidos:
Quero:

AMOR
A MESA ABERTA
A SINCERIDADE DE UM ABRAÇO".


É esta a minha mensagem quando ainda ardem os últimos desejos de 2007!
Um grande beijo da Phiwuipa, agradecendo todas as passagens pelo meu cantinho, bem como, todos os posts aqui postados que me faziam sempre voltar :)!