terça-feira, 7 de agosto de 2007

Eterno Paraíso



Nunca será tarde para murmurar teu nome
para cantarolar as cantigas antigas
para navegar ao vento a todo pano
e banhar-me nas águas do teu mar.

Nunca será tarde para retirar a cinza
acumulada nesta ausência desta estrada
para desbaratar os laços de desilusões
e voltar a rir outra vez entre as flores...

Se eu escutar o arrebatamento dos
teus sonhos, tuas mãos para aquecer-me...
teus beijos, o sumo que enternece-me
e em teus passos o desejo de buscar-me...

que mova-se todo o Universo a nossa volta
e recriaremos para nós o Eterno Paraíso...

(Efigênia Coutinho)


Nenhum comentário: