sábado, 4 de agosto de 2007

Amar e ser amado



Amar e ser amado! Com que anelo
Com quanto ardor este adorado sonho
Acalentei em meu delírio ardente

Por essas doces noites de desvelo!
Ser amado por ti, o teu alento
A bafejar-me a abrasadora frente!

Em teus olhos mirar meu pensamento,
Sentir em mim tu’alma, ter só vida
P’ra tão puro e celeste sentimento:

Ver nossas vidas quais dois mansos rios,
Juntos, juntos perderem-se no oceano —,
Beijar teus dedos em delírio insano

Nossas almas unidas, nosso alento,
Confundido também, amante — amado —
Como um anjo feliz... que pensamento!?

(Castro Alves)

Um comentário:

Orfeu disse...

suspiro meu...

e respondo eu, amore mio, com sentidos versos:

Com quanto ardor este sonho adorado
Acalentei dentro minh´Alma sedenta,
Buscando paz no seio da tormenta?
-
Por quanto humano tempo contado,
Me afoguei em mar de tempestade,
Colhendo o que semeei noutra idade?
-
Mas que m´importa agora o passado,
Se já se vêem vencidas p´la aurora
As sombras da noite que se encerra!
-
E na serenidade do amoroso abraço
Firmei o passo, afundando âncora
Nas águas da laguna abençoada.
-
DV